1 de nov de 2011

A imprensa está cheirando BEM mal.

Imagem ilustrativa, retirada internet
Uma imprensa que está cheirando BEM mal, e ainda é cega e muda, preocupada em manipular e omitir para proteger seu patrão, os contratos entre Prefeituras e Câmaras Municipais tem crescido de forma desordenada nesse Brasil a fora, quanto dinheiro público sendo jogado pelo ralo.

A imprensa que deveria fiscalizar e estar a serviço da comunidade pagadora de Impostos, há uma inversão de valores nas páginas dessa imprensa sem ética que corrompe e subtrai os direitos da comunidade que pagam seus impostos para ser revertido para sustentar o monopólio chamado família imprensa.

A história do monopólio de algumas famílias que vivem a custa do dinheiro público tem passado despercebida em alguma sociedade desse País de Todos, por isso temos que incutir um pedido de reflexão nas matérias envolvendo o patrão da imprensa, nesta sociedade que está sendo ludibriada e manipulada por essa imprensa venal.

O editorial fala por si só, omissão e mais omissão, a um processo cultural envolvendo desonestidade, arrebanhado pelos gestores do BEM ou do MAL, contudo, nos regride e nos reprime ao silêncio e o medo dessa imprensa desonesta que vive a custa do dinheiro do POVO, um editorial que está sempre de BEM com alguém que paga BEM, só falta às receitas de bolo para deixar nosso querido editorial com cara de BEM ou de MAL.

Sem a fiscalização por parte da imprensa, os menos favorecidos estão refém da inércia do poder público, a violência causada pela escassez de políticas públicas entre as classes menos favorecidas será sempre destaque nas páginas da imprensa manipuladora, sobretudo o preconceito é maior por parte da imprensa manipuladora.

Uma imprensa que está sempre de guarda em pé pronta para proteger seu patrão seja ele do BEM ou do MAL, Azul ou Branco, o que importa para essa imprensa sem ética que vive a custa do dinheiro dos pagadores de IMPOSTOS, são os contratos com as Prefeituras e Câmaras Municipais desse Brasil a fora.

Há um silêncio assustador por parte de toda comunidade menos favorecida ou não, a um medo nos órgãos fiscalizadores que insistem em não rever os contratos e o grande número de notas pólo norte envolvendo a imprensa.

O dia que forem extintos esses contratos milionários e as notas pólo norte, envolvendo a imprensa, não faltará recursos para ás áreas que compõem o desenvolvimento de toda comunidade, entretanto, a vida será muito melhor para todos em muitos municípios brasileiros.

Nenhum comentário: