7 de jun de 2012

VOCÊ PAGARIA R$ 2 PARA ASSISTIR "ALEXANDRE, O MÉDIO"?

Por Conrado Vitali, em su blog:

Busto de "Alexandre, o Grande": você já viu algum de "Alexandre, o Médio" ?

A mediocridade sempre andou em bando. É fácil localizar o galinheiro. O cheiro é forte. Os medíocres contentam-se com pouco. Não miram a história. Para eles estar por cima é correr para, sem nenhuma educação, sentar na primeira fila; o filme em cartaz é apenas um detalhe sem a menor importância. Contentam-se em ser frangos bem alimentados que passam o dia a ciscar o que encontram no chão. "Se eu não bicar outro vai fazê-lo" é o mantra de seus minutos de "sabedoria". Governos também podem ser galinheiros. Garnizés adoram cacarejar. É só o que fazem na pretensão de achar que podem, a bordo de sua penugem cafona, convencer o terreiro de que só eles podem cuidar bem do pedaço. São patetas de penas. No fundo ninguém precisa dos canelas amarelas. São um acidente de uma democracia aleijada. Vivem dos buracos "legítimos" que encontram para passar de um lado a outro; afinal toda cerca tem um defeito. Vivem do oco das estacas. Escondem-se ali quando a coisa aperta. Em Guaíra a sucessão municipal vive de lampejos de lucidez misturados à uma avalanche de imbecilidade. Gasta-se uma eternidade de horas em discussões estéreis - quem fez isso; quem fez aquilo; o fulano disse isso; o ciclano retrucou aquilo...Mas não se vê alguém parando para pensar, um minuto que seja, nas diferenças fundamentais entre os dois nomes que, a partir deste mês, vão se envolver numa guerra de sangue pela disputa do leprosário Messias Cândido Faleiros. Não é difícil estabelecer a cor republicana de cada um. Sim, cor republicana. Não falo de cor partidária. Ora, o que separa José Carlos Augusto de Sérgio de Mello ? Simples: a postura pessoal de cada um diante da própria história pública. Talvez inspirado pela atividade pretérita de seu vice antes de chegar ao poder executivo, José Carlos é o prefeito do varejo. Ou do varejão. Sem um plano de metas real, passou os quatro anos de seu mandato guiando o próprio carro oficial da prefeitura em viagens para São Paulo e Brasília em busca da "xepa" do Palácio dos Bandeirantes e da Esplanada dos Ministérios. Conseguiu algumas caixas de chuchu, jiló e abobrinha e as distribuiu como "legumes fresquinhos" à população. Seu governo é marcado pela realização de obras "emendadas". Trabalhou com o dinheiro miúdo de emendas parlamentares; pegou o que encontrou e trouxe para a cidade. Conseguiu, é verdade, alguma frutas saborosas na "xepa"; obras como a reforma do Ginásio de Esportes são bem-vindas e merecem reconhecimento. Mas o que incomoda e entrega seu governo sem planejamento é que não se vê um fio condutor, uma coluna vertebral integradora das ações do governo. É um governo sem marca, um curtume marroquino de couros de várias tonalidades pintados com tintas baratas. José Carlos não dividiu águas....deu uma barrigada e atravessou o "corgo". Foi de uma margem à outra dando braçadas desengonçadas. Fez o possível e viveu à sombra do fantasma da falta de autoridade. Deixou seu chefe de gabinete transformar-se no prefeito, de fato; enquanto exerceu seu mandato de direito a ponto de tornar possível a afirmação de que os últimos três prefeitos que Guaíra teve foram José Carlos Augusto (primeiro mandato), Sérgio de Mello e José Reinaldo dos Santos Júnior (disfarçado de José Carlos Augusto em segundo mandato). Negam isso a toda hora e de todas as formas mas não conseguem deter as "más línguas" dentro e fora da prefeitura. Apenas duas perguntas colocam a questão nos seus devidos e indisfarçáveis termos. Meu estoque de balas "7 Belo" está acabando mas vou tentar ajudar. Primeira: "Suponhamos que você, leitor, esteja hoje com um problema que só a prefeitura pode resolver. A quem você procura ?" Uma bala "7 Belo" para quem responder em qual porta do leprosário você vai bater correndo.....Segunda: "Você, em algum momento durante o governo do prefeito Sérgio de Mello, ouviu dizer que sua então chefe de gabinete, Suzete Barini, mandava nele ou tinha alguma influência decisiva sobre o chefe do executivo ?" Outra bala "7 Belo" para quem fornecer a resposta correta. Percebeu a diferença ? Vaidoso, Sérgio de Mello não se dá por satisfeito em ser mais um. Quando refere-se ao próprio governo, fala na primeira pessoa com uma convicção que não se encontra em José Carlos. "Em respeito à minha história...." costuma abrir uma conversa em que sua gestão seja o prato principal. Mello mira Saturno com uma fuzil russo Kalashnikov , o AK-47, muito mais confiável que o AR-15 americano, que só se vê nas mãos de José Carlos durante as campanhas. De seu lado, José Carlos, quando governa, mira o ursinho de pelúcia daquela barraca barata de lata do parque de diversões com uma espingarda de pressão que atira um rolha vagabunda. Quando acerta o ursinho, pula de alegria e vai pra casa feliz da vida. Para ele, basta isso...uma noite de sábado, no parque de diversões, com um algodão doce na mão. Sérgio de Mello se vê como um falcão peregrino. José Carlos como uma galinha de angola. "Tô fraco..Tô fraco...Tô fraco"....Desnecessário dizer que as pessoas nos percebem como nós mesmos nos enxergamos. É automático. O legado do governo de Sérgio de Mello foi a opção pela gestão no atacado. É preciso reconhecer que algumas de suas ações foram robustas. Sérgio, por exemplo, foi o único prefeito que conseguiu colocar a argola no focinho dos médicos, domando a classe por meio de um secretário de saúde que tinha autoridade sobre os senhores de branco. A reorganização do sitema municpal de saúde, de forma planificada, foi uma realização indiscutível até mesmo na opinião de inimigos históricos do petista. Sérgio persegue o título de grande. José Carlos faz o possível para ser reconhecido. Percebeu mais uma vez a diferença? O que separa os grandes dos médios é a estatura a que aspiram. Você pagaria R$ 2 para assistir, numa sessão especial da nova Casa de Cultura (agora reformada numa outra obra interessante da xepa carlista) ao filme "Alexandre, o Médio" ? Nem tentando ser muito simpático com o caçador de ursinhos você conseguiria mentir. É melhor estourar um saco de pipocas Yoki no microondas e assistir a "Alexandre, o Grande" - este sim - em casa. Mas então quer dizer que José Carlos é uma pessoa ruim ou incapaz ? Não. Ele é bonzinho , esforçado e....diz a lenda, já assistiu a "A Alexandre, o Médio" mais de 10 vezes. Chorou de emoção em todas elas e proibiu, com toda sua "autoridade", que José Reinaldo passasse qualquer ligação.

Nenhum comentário: