21 de jul de 2013

O jornalismo digital é um avanço sobre o jornalismo corporativo

Por Paulo Nogueira, no Diário do Centro Mundo: 

Carta aos jovens jornalistas. 

 Caro jovem interessado em jornalismo: 

 Você deve ter ouvido vaticínios terríveis sobre o futuro do jornalismo. 

E isso pode estar fazendo você desistir de ser jornalista.

 Pois eu digo. Pense duas vezes. 


O jornalismo não está acabando. Ele está, na verdade, passando por uma formidável transformação – para melhor.

 O que vai chegando ao fim é a era do jornalismo em que o jornalista é um mero apêndice para os donos das corporações.

 Alguns chamam isso de jornalismo corporativo.

 Nele, o jornalismo é pago para defender as ideias dos donos e não para ajudar o mundo a se tornar melhor. 

 Você pode ganhar um salário bom, mas a frustração é enorme. Você rapidamente aprende que os interesses dos donos são prioritários. 

 Na era da internet, com a democratização da informação, o caráter nocivo das grandes empresas de jornalismo ficou estampado. 

 Não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. Os grandes jornais americanos, por exemplo, deram apoio a Bush na criminosa invasão do Iraque.

 Na Inglaterra, a sociedade se deu conta de que os jornais faziam barbaridades não para defender o interesse público, mas para vender mais e ampliar seus lucros. 

 Os ingleses acordaram depois que veio à luz a informação de que um tabloide de Murdoch invadira a caixa postal de uma garota sequestrada – e assassinada — em busca de furos.

 A internet, ao atropelar a mídia tradicional, está destruindo este tipo de jornalismo, e não o jornalismo em si. 

 É um jornalismo em que, para fazer carreira, você tem que ser papista e obedecer cegamente ao papa, o dono. 

 Papista, para que você saiba, foi uma expressão usada por um jornalista chamado Evandro para ser contratado como diretor do Globo por Roberto Marinho.

 “Sou papista”, avisou ele. Deu certo.

 Vai surgir um jornalismo muito mais próximo dos sonhos dos jovens que sonham mudar o mundo.

 O crescimento das empresas de jornalismo, nas últimas décadas, tornou-as maiores – e piores. Razões econômicas e financeiras se impuseram sobre as razões editoriais.

 É isso que muda agora. 

 O jornalismo digital é mais puro. Não o feito pelas empresas tradicionais, que carregam para ele seus vícios. 

 Mas o que nasce na própria internet. 

 Os jornalistas, na mídia digital, retomam a voz que tiveram um dia e que foram perdendo à medida que os negócios passaram a ser prioritários para as companhias jornalísticas. 

 E a remuneração, e a carreira? 

 A internet vai encontrando novos caminhos para isso, longe das corporações que se desintegram.

 Um deles é o crowdfunding, em que uma comunidade banca um site ou um jornalista por entender que é bom que o conteúdo produzido é relevante. 

 Um dos melhores jornalistas do mundo nestes dias – o americano Glenn Greenwald, que aliás milita na internet – faz crowdfunding.

 É um caso entre vários. 

 No jornalismo digital, o jornalista vai poder fazer diferença. Não vai ter que escrever o que o papa quer.

 A velha carreira vai chegando ao fim. Mas ela foi ficando cada vez pior, e é difícil lamentar seu término inglório. 

 É frustrante o papel de papista a não ser que você seja um cínico interessado apenas em acumular moedas e se agarrar a um prestígio precário.

 A nova era devolve o jornalista ao papel de protagonista. 

 Por isso, deve ser saudada entusiasmadamente.

Nenhum comentário: