22 de abr de 2015

GUAÍRA UMA CIDADE MAIS JUSTA

Adeir Alves

Tudo está sinalizando que agora as regiões periféricas deveram entoar o canto de igualdade, oriundos dos desejos da grande multidão quanto á questão de uma iluminação pública digna dos impostos pagos com muito suor por parte dos munícipes. Hoje as regiões periféricas vivem um drama por conta das escuridões proporcionadas pela fraca iluminação pública, que há décadas, nunca conseguiram sensibilizar os nossos governantes. Mas, diferentemente do centro da cidade que é contemplada com uma iluminação capaz de iluminar as ruas e bairros dessas imediações, proporcionando uma segurança mais eficaz - entretanto - os moradores das comunidades periféricas, não conseguem exercer o direito de ir e vir, após as 18 horas, por medo ou insegurança. O engraçado disso tudo, é que a iluminação também faz parte da segurança pública. Já diz o velho ditado: a escuridão privilegia somente quem não tem boas intenções.

 Do ponto de vista de morador de periferia que sou, entendo claramente que é difícil para os moradores ficarem nos portões de suas residências, como era antes, nos tempos de nossos avôs, que conversavam  contemplando a beleza do céu estrelado, comentando sobre as novelas, as crianças e o próprio bairro em que moravam junto aos seus vizinhos. Os casais de namorados que, com consentimentos dos pais, namoravam na porta da casa, ficando na segurança aos olhos dos pais. Mas por insegurança e tendo uma iluminação pública ruim, fica impossível os contribuintes ter assegurado o seu momento ao lazer, depois das 18 horas.

 O assunto iluminação pública é tão importante que, sem ela, as pessoas acabam se trancando dentro de suas próprias casas, se tornando prisioneiros por falta de uma política pública de garantia de direito a questões de ir e vir, infelizmente, sentido na pele esse cerceamento dos benefícios da praticidade dos serviços públicos junto à comunidade periférica 

 A titulo de esclarecimento sobre a diferença entre a iluminação pública do centro da cidade e a periferia, vejamos: as luzes do centro são de 250 watts. Já nas periferias, são de 60 watts. Essa diferença toda, é que deixam as escuras as ruas e praças dos bairros, das comunidades periféricas. 

Agora que a iluminação pública esta sobre a responsabilidade do governo municipal, tudo indica que o governo deverá implantar uma iluminação pública de LED e de boa qualidade em toda a cidade, sem beneficiar partes algumas. Afinal de contas, o pagamento de impostos são os mesmos, isso nada mais é do que um olhar visionário do gestor público. 

 Com os novos investimentos coordenados pelo governo municipal, na parte da iluminação de nosso município, Guaíra será um marco histórico nesta importante questão, que contará com toda rede de iluminação pública totalmente de LED, que resultará também em economias aos cofres públicos. 

 Esclarecido isso, é muito importante que a sociedade civil organizada ajude também a sociedade periférica a pressionar o governo municipal a implantar o projeto referente á iluminação pública, iniciando nas regiões periféricas.

Nenhum comentário: