29 de mai de 2015

FAZ-SE NECESSÁRIO A REFEXÃO ANTES O SILÊNCIO DE NOSSA HUMILDE COMUNIDADE

Adeir Alves 

 A destemida e investigativa família-imprensa reinou por décadas, triunfou no cenário político; sendo a mesma cortejada, afagada, acariciada e dobrada por grupos políticos que utilizavam 
a proteção da imprensa, que até então era vista economicamente como uma espécie de instrumento de ataque e defesa aos interesses por parte dos senhores barões, que economicamente falando, estão lucrando muito mais com os loteamentos.  

 Na verdade, essa imprensa sempre foi tratada como um adestrado cão de guarda contra os partidos políticos oriundos das classes mais pobres, que em sua grande maioria, são contra o projeto de poder aos interesses partidários e pessoais por parte dos senhores barões.  Infelizmente, esse jeito nojento de fazer jornalismo, sempre foi alimentado com recursos públicos, ao longo da história política de nosso município.

Um erro gravíssimo contra a moral e os bons costumes da familiar guairense. Por outro lado, esse ciclo vicioso envolvendo á família-imprensa deu-lhe plenos poderes para que a mesma conduzisse a política de informações, manipulando-as e direcionado-as aos interesses escusos por parte dos grupos políticos que, mais tarde e como sempre afagam com um osso público (R$) esse seu adestrado cão vira-lata que traz em seu latido, o resultado dos interesses por partes dos senhores barões. 

 Talvez os senhores e senhoras leitores não estejam entendo esse jogo de interesses entre a família-imprensa? Explico: Com o passar dos tempos, a imprensa foi somando forças na política local, deixando-se fecundar um jornalismo mercenário e, com isso prestando um desserviço em nossa comunidade, onde a população acaba ficando sempre em terceiro ou quarto plano ao direito a verdadeira informação. Enquanto os governos passados (aqueles adestradores) sinalizavam para uma Guaíra de retrocesso, como por exemplo, o interesse (loteamentos) sobre o crescente déficit habitacional, nesse momento, o cão de guarda encarregava para manipular a verdade sob a égide de um jornalismo a mando dos seus senhores que, sabiam como afagar essa imprensa com seus ossos públicos (R$). 

 Mas felizmente tudo que não presta, passa! Os munícipes, ao longo dos anos foram percebendo esse jogo de interesses por parte dos políticos e a família-jornalística, que desenvolviam uma política que retrocedia Guaíra a épocas medievais, ou seja, sem um planejamento onde o povo fosse, de fato, inserido como senhores de direitos junto ao orçamento público. 

 Agora, infelizmente, por causa desse acordar que os munícipes guairenses deram em outubro de 2012, presenciamos no nosso pacato cotidiano um jornalismo raivoso que exalta a vergonha, um jornalismo que impulsiona e vocaliza o retrocesso de interesse, entoado pelos grupos políticos de grande poder aquisitivo que se manifestam em prol aos interesses partidários e não em nome dos munícipes. 

 Ao acordar por parte dos munícipes guairense, em outubro de 2012, Guaíra começou a ter de volta aquele olhar junto ao progresso, onde a habitação popular promovera um grande passo ao desenvolvimento humano e habitacional junto às famílias de baixa renda, que pagão seus impostos e que ajudam a construir uma cidade cada vez mais digna e justa. Dessa forma não dá mais para sermos reféns dos órgãos de imprensa que se deixam ser adestrados por interesses em ossos públicos (R$), e que, na verdade  deveriam ser um instrumento da ética em defesa dos valores de nossa comunidade, mas, infelizmente, não é! E Guaíra não mereça isso! 

 Infelizmente, ainda percebo o silêncio de nossa comunidade sobre essa importantíssima questão. É válido, mas não basta à população apenas irem às urnas e fazer valer seus direitos cívicos. Mas, é necessário fazer valer seus direitos constitucionais, ou seja, “o seu direito termina onde começa o meu!”. Então se a imprensa ficar agindo através dessa atitude raivosa e descontrola, criando um clima de insegurança em nossa cidade do quanto pior melhor, é necessário que a população de um cala a boca á essa imprensa de virtudes mercenária. 

 Hoje, termino corroborando para que a população reflita e não se deixe silenciar sobre o papel da imprensa: ao ler ou ouvir a informação por parte da família-imprensa, questione você mesmo: que cidade você quer para viver?

Nenhum comentário: