1 de fev de 2019

Zé Eduardo, difícil de tolerar

Adeir Alves: 

Após dois anos de gestão, sob o comando do prefeito José Eduardo Coscrato Lélis, o Núcleo de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, que está localizado no Bairro Mutirão II, continua abandonado exposto as ações das intempéries. 

 O Núcleo é um espaço público que, antes, tinha com princípios básicos fortalecer vínculos, oportunizando o desenvolvimento social, cultural de crianças e adolescentes - uma via de mão única no combate à desigualdade e a vulnerabilidade social, protegendo sob a égide do governo, os educandos dos perigos da rua e, contudo, proporcionado o acolhimento. 


 Dança, música, percussão, capoeira, esporte, atividades culturais sempre foram oficinas ofertadas nas dependências do Núcleo, isso antes de Zé Eduardo assumir o comando da máquina pública e fechar o local. Entretanto, as crianças, os adolescentes e os jovens que, em sua grande maioria, são pobres e negros, em outras gestões, foram sempre acolhidos por esse espaço. 

 O Núcleo de portas fechadas implica na razão Política, História e Social daquela região, por isso os representantes do Povo, os vereadores, conduzido pelo Presidente da Casa de Leis, é justo, propor e cobrar, incessantemente, soluções acerca do início das atividades do Prédio; quantas discussões profícuas os parlamentares fecundariam em torno dos dois anos que os moradores do referido território não tiveram acesso a esse bem público, isto é, na verdade, se o Presidente da Câmara fosse tão atuante em suas atribuições?

 É ate engraçado, quem também deveria estar se posicionado a favor dos munícipes, caminha ao contrário do desenvolvimento da cidade, a imprensa mercenária; nem é preciso entender o que move a perversa morte dos valores éticos e morais que, sobretudo, impõe a necessidade da falta de vergonha ancorada na omissão sob a vigia de uma matilha raivosa. É mais fácil questionar o abandono do prédio da Rua 12 com a Avenida 7, onde está localizado o antigo Grêmio do que questionar o abandono do Núcleo, que tem como necessidades atender os anseios dos mais pobres. Como se em nossa cidade não tivesse tantos problemas, e que eles não fossem da conta dos órgãos de imprensa, tanto é verdade, que o a cidade de Barretos sofre uma enxurrada de críticas irresponsável por parte da imprensa Guairense, mais uma coisa é certa, tudo que não presta, não vale a pena ressaltar! 

 Amar a cidade acima de tudo, é conhecer as prioridades do município como um todo, é visitar os Bairros, é abandonar a zona de conforto, o Gabinete, é fazer gestão séria e, para isso, precisa ter conhecimento de gestão pública, é ter coragem para enxugar a máquina pública reduzindo os cargos comissionados e a acabar com as gratificações a estes, é ter coragem para enterrar a velha política na estirpe da vaidade, é ter coragem para fazer a coisa certa, encarar a população de frente, olho no olho, e explicar o porquê, sem mentiras, o Núcleo esteve fechado esses dois anos, é ter coragem para dar a César o que é de César, oferecer uma Guaíra  justa à família Guairense. 

“Quem sabe faz a hora, não espera acontecer” Geraldo Vandré

Nenhum comentário: