27 de ago. de 2020

O poder de mando de empresários nos governos

Adeir Alves:

 Como eu já mencionei em outro texto a questão da influência de empresários nos governos pelo Brasil a fora, dando ordem  nas questões administrativas enfraquece o poder de decisões do prefeito. 

Mas o nobre leitor deve estar pensando o que eu tenho haver como o cenário político de minha cidade, tudo! “O desânimo pela classe política nos impulsiona para a falta de comprometimento e o sentimento do dever cumprido, isso, porém é o nosso primeiro defeito moral e ético!” 

 Eu sempre escrevi em meus textos a importância da participação de toda a sociedade nos governos, opinando e apontando os erros a fim de governo e governados dotados nos termos da Constituição Brasileira (CB) construir juntos um poder social e político nos moldes das prioridades da cidade, ou seja, um pacto entre povo e governo, que não seja rompido pelos desejos obscuros de empresários. 


 Todavia é importante que o poder executivo seja, conforme a Lei Orgânica de cada Município, exercido pelo prefeito livremente e não induzidos pelos financiadores de campanhas. 

 Esse assunto envolvendo à influência mequetrefe de empresários nas prefeituras, geralmente têm a origem na fraqueza moral e na ambição de vencer um pleito eleitoral a qualquer custo; na verdade a ajuda financeira que seduz grupos políticos, naquele momento cai como uma luva, vencer a qualquer preço, mas depois vêm a cobrança e é aí que começa o jogo dos privilégios e o toma lá dá cá! 

 O gestor público tem que governar com plenos poderes em consonância com o seu povo, e esse, porém é o princípio básico da democracia! “O poder está a serviço de uma obra coletiva e o liderado percebe claramente quando você é capaz de, ao crescer, levá-lo junto” Mário Sérgio Cortella. 

 Este ano, no dia 15 de novembro, teremos eleições municipais por todo País, e nós cidadãos (ã) conscientes temos o dever de estarmos atentos às influências pusilânime dos financiadores campanha; com assistimo   na imprensa, várias empresas apontadas na Operação Lava Jato e muitos empresários e doleiros indo para a cadeia por envolvimento em corrupção. 

 Conforme os desfechos da Operação que marcou o Brasil contra a Corrupção  é, em partes, nas prefeituras que nascem nos termos operantes dos financiamentos ilícitos de campanha; a corrupção, claramente, causa erosão na soberania dos governos; enfraquece os investimentos na educação, nos programas sociais, na promoção da igualdade de direitos, infraestrutura e, principalmente em saneamento básico.

 Os pré-candidatos com boas intenções precisam estar preparados para não serem seduzidos e aceitarem esse tipo de ajuda, pelo contrário, fazer uma campanha honesta sem necessidade de apoio de empresários que, mais tarde após vencer as eleições, vão atrapalhar sua administração pública. Seja comprando destes empresários, ou dando jeitinho em algum projeto ou empreendimento que beneficiará esses empresários, ou até mesmo atendendo indicações de cargos comissionados a parentes ou amigos desses empresários. 

 “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer” Geraldo Vandré

Nenhum comentário: