9 de dez. de 2020

Dengue preocupa com início das chuvas


 Os dias quentes e a estação chuvosa, que iniciou estão preocupando a Secretaria Municipal de Saúde, pois aumentam a disseminação dos casos de dengue. Neste ano o município registrou 102 casos e outros 26 suspeitos aguardam resultado de exames. O temor da Vigilância em Saúde é a proliferação descontrolada do vetor da doença, o mosquito Aede aepyti, que durante os meses quentes e chuvosos do ano se reproduz muito rapidamente. Assim, eliminar todo e qualquer recipiente que possa se tornar um criadouro é fundamental. Equipamentos de drenagem de águas das residências, como calhas, ralos e dutos de transporte de águas da chuva devem ser verificados e limpos, permitindo que a água flua naturalmente. 
 O chefe do Departamento de Vigilância em Saúde, Maurício Alves da Silva conclama a população a participar do combate ao mosquito. “A população é o principal ator no combate a dengue. Tem que seguir as orientações, especialmente se livrar de todo e qualquer tipo de recipiente que possa acumular água, dentro de casa, nos quintais e terrenos não edificados que possua, evitando também de dispensar detritos na rua e ou em qualquer lote vago. Evitar os criadouros do Aedes aegypti é a forma mais eficiente de mitigar a infecção pela doença” 

 Maurício relatou que a Unidade de Controle de Vetores vem intensificando seu trabalho de rotina, com duas equipes passando de casa em casa, com o intento de identificar e eliminar os possíveis criadouros. Hoje (dia 8 de dezembro de 2020) uma equipe está atuando no Jardim Paulista, nas imediações da Santa Casa e a outra na parte alta do Centro, nas proximidades da Secretaria de Saúde. 

 O mais importante, é que os cidadãos sigam as orientações para evitar inservíveis, potenciais criadouros e quando o objeto, no caso, for de uso, mantê-lo em cômodo coberto ou fazer sua cobertura de forma a evitar que venha a ser um ambiente propício para a procriação do mosquito. 

 Além das equipes regulares, o Controle de Vetores tem uma equipe específica para verificação de pontos estratégicos, como borracharias e ferro velhos, estabelecimentos que manuseiam materiais muito propensos a habitat do Adedes aegypti. E, também, em trabalho conjunto com equipes do setor de Limpeza Pública, faz periódicas limpezas nas valetas, bocas de lobo e outros equipamentos do sistema de drenagem pluvial do município. 

 CUIDADO ESPECIAL 

 No início da estação chuvosa o Setor de Vetores solicita a toda a população que faça inspeção nas calhas, ralos, em toda rede de escoamento de água dos domicílios, comércios, todos os prédios, em geral, para detectar obstruções que podem provocar acumulo de água e procriação do mosquito. 

 Ralos, calhas e dutos podem ser tratados com produtos de uso cotidiano, como por exemplo o sal de cozinha que pode ser aplicado, na proporção de duas colheres de sopa por litro de água, uma vez por semana. O sal impede a eclosão dos ovos, diminuindo o número de mosquitos adultos e a disseminação da dengue, zika, chikungunya e febre amarela, doenças que, no ambiente urbano são transmitidas pelo Aedes agypti. 

 É relevante que todos deixem os agentes de combate a dengue entrem em suas residências.  O pessoal que trabalha todo dia com os vetores tem alta capacidade de detectar possíveis criadouros e focos do mosquito, uma habilidade que o cidadão comum não tem. 

 No caso de desconfiança quanto a identidade do agente, basta o munícipe acionar a Secretaria de Saúde pelos telefones: 3332-2891 ou 0800.940.0250, os atendentes podem informar qual agente deve estar trabalhando em cada setor.

 ATENDIMENTO MÉDICO 

 Sempre que apresentar sintomas de dengue o cidadão deve procurar, o mais rápido possível, o atendimento médico, para tratar da patologia e também para auxiliar o Setor de Vetores a evitar a infecção de outras pessoas do convívio e vizinhos. 

 Os sintomas mais comuns são: 

 Febre alta de início repentino, associada a: 

 Dor de cabeça;

 Prostração; (sensação de letargia) 

 Dores musculares, nas juntas e atrás dos olhos; 

 Vermelhidão no corpo 

 Coceira. 

 Anorexia, náuseas, vômitos e diarreia, não volumosa, podem estar presentes, mas são menos frequentes. 

 Prefeitura Municipal de Guaíra/sp

Nenhum comentário: