26 de jan. de 2021

A inversão de valores e o cenário fúnebre da política

Adeir Alves: 

 Com a omissão por parte da imprensa vendida, os veículos de informações (Jornalões, Revistas e Rádios), que recebem dinheiro público para manipular e fabricar notícias tendenciosas a fim de proteger grupos políticos de mau-caráter e, sob essa tática desleal aos princípios básicos da sociedade democrática, impõe-se as consequências funestas da inversão de valores onde o corrupto passa a ser a vítima e o denunciante, o monstro! 

Sobre à luz da razão: A inversão de valores que nutre os órgãos de imprensa mercenários e a classe de políticos gananciosos, no entanto, impulsiona a construção da política de governo para governados na direção do lúgubre epitáfio da ética e da moral, contudo, emergindo uma coligação política inepta e intocável aos olhos da Justiça.

 “E, conhecendo a verdade sob o manto pútrido que aquece a família imprensa, que a verdade nos libertará”! 

Devemos, no entanto, considerar não a validade desse diálogo insípido e pífio ensejado pela imprensa e os homens públicos, mas a faculdade humana das quais somos dotados. 

 A centralização do poder e a inoperância de governos, é tudo que a família imprensa precisa, até porque, para ela, a essência da política consiste apenas na permanência pela posse da mamadeira para si e para a sua família. 

Nesse campo inóspito trilhado  pela matilha da Imprensa, atesta o quão esse decoro a vileza dos cretinos que, por se julgarem donos da verdade, fazem das prefeituras um negócio lucrativo à custa do dinheiro público. 

Na verdade a troca de valores, citado neste texto, favorece a corrupção, e esta por sua vez, é corrosiva às prerrogativas do artigo 37 da Constituição Federal (CF); e, concomitante - preconiza a fragilidade no desenvolvimento da cidade enfraquecendo as repartições públicas, desmotivando os servidores e onerando os cofres públicos.

 Que a inversão de valores não contamine a terra de sol e de luz, que o recanto de São Paulo não seja um império referendado pela impunidade!

Nenhum comentário: