18 de mar de 2010

Texto enviado por José Pugliesi de Oliveira Neto.

Mário Kosel Filho
Mário Kosel Filho nasceu em 6 de julho de 1949, em São Paulo. Era filho de Mário Kosel e Therezinha Vera Kosel. Fazia parte do Grupo Juventude, Amor, Fraternidade, organizado pelo Padre Silveira, da Paróquia Nossa Senhora da Aparecida, no bairro de Indianópolis, juntamente com mais de 30 jovens.
O símbolo do grupo, ironicamente idealizado por Mário, era uma rosa e um violão.Por ser muito prestativo e preocupado em ajudar as pessoas, principalmente crianças e necessitados, foi apelidado de Kuka, pelos demais participantes do grupo.
Mário estava com 19 anos e prestava o serviço militar. Estava incorporado na 5ª Cia. de Fuzileiros do 2º Batalhão, no 4º Regimento de Infantaria Raposo Tavares, em Quitaúna.
Na madrugada de 26 de junho de 1968 estava no quartel, em serviço, quando ouviu um tiro, disparado pelo soldado Rufino, que fazia a guarda externa do quartel. Saiu para ver o que se passava e foi informado pelo soldado Rufino que o tiro foi para cima, para advertir um automóvel que, em alta velocidade, rompeu a barreira da área proibida ao tráfego de veículos. O motorista do automóvel deve ter se assustado e colidiu com um poste. Mário, preocupado em ajudar possíveis feridos, foi até o mesmo. Ao se aproximar do automóvel acidentado, um outro automóvel passa pelo local e seus ocupantes lançam sobre o automóvel acidentado uma bomba de grande poder destrutivo.
Mário teve morte instantânea, pedaços de seu corpo foram lançados em todas as direções.
Um dos ocupantes do segundo automóvel era Dilma Rousseff.
Não consigo entender como é possível uma assassina permanecer solta e ainda chega aonde essa mulher chegou. Dilma e outros criminosos e assassinos, que deveriam estar nas penitenciárias, relaxam e gozam sem quaisquer preocupações, enquanto os ladrões de galinhas sofrem severas penalidades.
Agora, a exemplo do que fizeram com Lula, os marqueteiros vão tentar vender a imagem de paz e amor dessa assassina.
Ainda assim, enquanto eu viver, não me calarei, até que todos saibam.
Mário Kosel e Therezinha Vera Kosel

2 comentários:

JUSTO disse...

Todos têm conhecimento de que no Brasil existe sim políticos corruptos, ladrões e até mesmo assasinos, porém o mais grave é que a juventude ao invés de usar tal atitude como um mau exemplo e fazer totalmente o contrário lutando por um país melhor, muitos usam ou querem usar a politica para enriquecimento e até mesmo como um meio de acobertar crimes,mas a população nao é feita de cidadãos tolos, todos estão olho. Vamos seguir o exemplo do Dr. Protogenes Queiroz e combater a corrupção, nós cidadão devemos utilizar todos os recursos que temos jornais, internet e denunciar esses malandros e nao deixar a população esquecer dos atos que esses ladrões tiveram contra todos nós.

Sérgio de Mello disse...

Prezado Adeir, acompanho seu blog e atesto seu caráter democrático. Entretanto, em virtude da disputa eleitoral que se aproxima, sugiro que, antes de propagar, pesquise a veracidade de fatos graves como esse, para não ser usado politicamente de forma irresponsável. Pelo que sei dos tristes anos de chumbo da ditadura militar, a brasileira e hoje ministra Dilma Rousseff foi uma das milhares de vítimas do sistema repressivo e não o contrário. Estou enviando o caso para o diretório nacional do PT e tão logo tenha a resposta farei questão de te encaminhar. Abraço.