28 de jun de 2012

POR TELEFONE, CHEFE DA TRIBUTAÇÃO NEGA AMEAÇA E DIZ QUE AÇÃO DOS FISCAIS NA CASA DE MONIZE FOI "ROTINA"

Por Conrado Vitali, em seu Blog:

Este é o Edvaldo, chefe da tributação da prefeitura de Guaíra: segundo ele, o constrangimento imposto à mãe da jornalista foi um "procedimento de rotina". Sei. Uma rotina muito parecida com a de palácios que abrigam ditadores que só se preocupam em empastelar jornais e calar a imprensa. Collor tentou fazer isso com a Folha de São Paulo no início dos anos 90: acabou no lixo da história, de onde nunca mais conseguiu sair

Sei, então tá. Einstein já disse certa vez que "duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana". Se ele vivesse em Guaíra confirmaria sua tese ao avaliar a genialidade dos estrategistas políticos do governo José Carlos Augusto. Quando você pensa que já viu tudo em termos de comportamento asinino, novas pérolas do mundo quadrúpede aparecem. Deus do céu. Jumentos da terra. Como é possível a um governo fazer tanta besteira, uma atrás da outra, em tão pouco tempo Eles estão perdendo qualquer tipo de contato com a realidade. Fiscais tributários que nunca haviam dado o ar de sua graça na casa da Monize, onde fica a sede do novo O JORNAL - que vem criticando brilhantemente a prefeitura desde que foi lançado, há 4 semanas - apareceram por lá hoje, logo de manhã, constrangendo a pobre mãe da jornalista, desfiando para aquela senhora que mal havia acabado de digerir o café uma série de exigências fiscais que a filha deveria cumprir e apresentar à prefeitura. Na sequência, avisada, a Monize liga pro Edvaldo Faria, chefe do setor de Tributação, cargo com status de secretário municial da Receita. De forma "cândida, púdica e inocente" o chefe da tributação acaba de afirmar à Monize que "se trata de um procedimento de rotina". Sei, Edvaldo, então tá. "Procedimento de Rotina".....Deus do Céu. Jumentos da terra. A quem o Paço Municipal ainda espera enganar ? Talvez alguma Pollyana, aquela do "Jogo do Contente", perdida em alguma esquina de Guaíra. Ou então a algum dos patos que rasgam garbosamente as águas do Lago Maracá...Deus do céu.Jumentos da terra. A prefeitura, sob o governo de José Carlos Augusto e a chancelaria de José Reinaldo dos Santos Júnior tornou-se um hospício. Transformaram-se todos em personagens de uma ópera-bufa. E o pior é que eles acreditam em seus próprios delírios. O poder que corrompe é o mesmo que cega, transformando agentes públicos em idiotas a serviço de uma causa perdida. Caro Edvaldo você, como servidor público, como funcionário de carreira, não precisava se submeter à estupidez de quem está vendo o controle das coisas escorrer pelos dedos. Quem está de passagem pela prefeitura é o primeiro-ministro, que ocupa cargo de confiança. Você não, você tem estabilidade e poderia muito bem ter dito a ele: "Zé Reinaldo, se você quiser fazer mas uma asneira, faça você, sozinho, fique à vontade; mas não conte comigo; me inclua fora dessa". Vá pra cima deles, japonesa. Não se intimide. Abrace a verdade.

Nenhum comentário: