3 de out de 2016

As seis missões de Zé Eduardo e Renato Moreira

Adeir Alves:

 Nos últimos anos Guaíra atravessou momentos de turbulência pela falta de planejamento e má gestão.  

Missão 1: Não será uma tarefa fácil para dupla dinâmica, erguer o município debaixo dos escopros da inércia. Com aproximadamente 51% do orçamento público comprometido com a folha de pagamento dos funcionários públicos, Zé Eduardo e Moreira terá que ter uma carta na manga para turbinar o orçamento municipal, que pode vir da ponte que deverá ser construída entre Guaíra e o Governo de São Paulo, Geral Alckmin (PSDB) juntamente com o Deputado Estadual Roberto Engler (PSDB) e o Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, que foram apoiadores de sua campanha, no sentido de captar recursos para somar ao orçamento público. 


 Missão 2: No primeiro ano de Gestão, a dupla precisará estabelecer um diálogo com o povo que o elegeram, para livrar-se das pressões de uma possível lentidão no andamento da máquina pública, oriunda do déficit orçamentário e a crise econômica que assola o País. Quanto tempo para colocar a casa em ordem, não é possível prever pelo descontentamento do povo nas urnas municipais. 

 Missão 3: Pela grande amizade entre Zé Eduardo e Renato Moreira, tudo indica que Guaíra terá um vice-prefeito atuante e diferente dos últimos, que não tiveram aproveitamentos junto à Gestão. Um vice-prefeito autêntico e populista, como nunca antes na história, portanto, Moreira terá um papel fundamental na escolha da montagem da equipe que comandará as engrenagens da máquina administrativa. Uma Governança movida pela eficiência e compromissada no combate a corrupção, valores que direcionarão nossa cidade rumo ao desenvolvimento.

Missão 4: Fatores administrativos importantíssimo que necessitam de urgência em sua equação: resolver o descontentamentos da classe de médios e como dar alta a saúde pública, que nos últimos anos vêm sofrendo na sala de UTI? 

 Missão 5: Moreira que é Servidor Público terá a incumbência de costurar o cordão umbilical entre o Sindicato dos Funcionários Públicos e a Gestão, com isso, estabelecendo o diálogo com mediador de conflito entre Servidores e Prefeito, como também rever questões simples com pagamentos de insalubridades, licença prêmio e horas extras, plano de carreira, entre outras questões pertinente à classe. 


Missão 6: Contudo, a dupla dinâmica tem a responsabilidade de sepultar o clima de beligerância acendido entre Governo e Povo, devolvendo a nobre confiança a população.

Nenhum comentário: