20 de mar. de 2019

Como Pedro negou Jesus, Zé Carlos não pode negar o apoio a seu Povo

Adeir Alves: 

Antes de o galo cantar, você vai dizer três vezes que não me conhece, essas foram às palavras de Jesus a Pedro, que ele o negaria. Após a prisão de Jesus, Pedro negou conhecer Jesus três vezes, mas após a terceira, ele ouviu o galo cantar e se lembrou da profecia quando Jesus se virou e olhou diretamente para ele.

 Como Pedro negou Jesus, Zé Carlos não pode negar seu Povo sob um silêncio, como nunca antes. Desde que assumiu a pasta responsável pelo setor de Obras de nosso município, o ex-prefeito José Carlos Augusto (DEM), que é contador, economista, político e professor por profissão, foi prefeito por duas gestões (2004/2005) e (2009/2012) e presidente da Câmara Municipal (2002), não é, portanto (o que seria normal na opinião dos leitores?) sob a égide de tamanha biografia política, Zé Carlos manter o silêncio em face do retrocesso que vem sendo imposto a nosso município.


É hora de Zé Calos acolher seu Povo: 

A falta de cuidados com a cidade na questão dos inúmeros buracos no asfalto; 
O Núcleo de Convivência da Criança e Adolescente de portas fechadas há três anos; 
O abandona do Velório; 
As enchentes no Centro da Cidade e o sofrimento de quem mora nesta localidade; 
A escassez de políticas habitacionais; 
A falta de cuidados com as praças públicas, os investimentos nas precariedades das quadras esportivas dos bairros Padre Mário Lano, o Mutirão II, Etelvina Santana (Mutirão III) e Abdalas Elias (Mutirão IV), bem como o abandono da Pista de Atletismo, no Parque Maracá;
 O apoio merecido aos Servidores Públicos, com políticas justas e concomitantes à classe; 
O caos na Saúde pública; 
 Ressuscitar a capacidade cognitiva de guiar os princípios de Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e eficiência na boa administração pública; 
 Acender o amor por Guaíra acima de tudo. 

 Recordando o passado: Quando Zé Carlos deixou a prefeitura após a derrota nas eleições de 2012, logo em seguida, assumiu o cargo de diretor regional do escritório da Casa Civil do Estado de São Paulo, em 2013, auxiliando vários municípios e, isso, rendeu-lhe profícuos vínculos com os prefeitos das cidades vizinhas; ações políticas que culminaram para fortalecer seu nome no cenário politico de Guaíra, há época, entretanto, esbanjando visibilidade - o nome do ex-prefeito ecoou nos quatros cantos da cidade. Zé Carlos tinha tudo para vencer as eleições de 2016, se ele não tivesse sido freado em seu sonho de entrar para história, como o único prefeito vencedor de três eleições. De mãos amarradas e sem apoio político, o atual Secretário de obras ficou acuado e teve, sob pressão, abrir mão de concorrer às eleições daquele ano, foi uma grande decepção para seus aliados, na verdade Zé Carlos nunca engoliu o discurso que ficou conhecido como um ano e nove meses ecoado pelo seu próprio sangue. 

 Zé Carlos abandonou o cargo de Diretor Regional do Escritório da Casa Civil do Estado de São Paulo, porque sabia que seu nome fervia no termômetro político, tanto é, que as pesquisas indicavam, naquele momento, o primeiro lugar, a vitória era certa - como a política tem lá seus momentos fatídicos - se ele não fosse apunhalado pelo seu próprio sangue, hoje ele seria o prefeito. Zé Carlos escreveu em seu texto quando explicou, à imprensa, o motivo o qual desistiria de concorre às eleições de 2016: “Os grandes líderes projetam-se mais através do exemplo do que através do poder.” – Johnny de Carli. 

 Contudo, é o momento de Zé Carlos pular fora do barco e deixá-lo naufragar com toda sua ganância, com toda sua fraqueza política, com toda sua falta de conhecimento em gestão pública; saltando fora, sob esta estratégia e, por não compactuar com uma gestão conduzida por falhas, o postulante ao cargo de prefeito manteria seu nome aceso no cenário político em 2020. 

 Zé Carlos têm a faca e o queijo nas mãos, para mostrar que há vida inteligente na política municipal (abandonando o sistema que pode enterrar sua carreira polícia), com a vitória de João Doria nas eleições de 2018, há uma grande possibilidade de nosso município alçar novos horizontes sob o comado de uma possível saída do Secretário de Obras. 

Com amizade selada ao logo da vida política com o agora vice-governador, Rodrigo Garcia (DEM), Zé Carlos assumiria um cargo político em nossa região, representando o Governo do Estado de São Paulo, ele, sobretudo, fugiria das amarras do Santo do Pau oco e, ainda, ergueria uma ponte de diálogo entre Guaíra e o Governo do Estado, Zé Carlos cairia nas graças do Povo com as emendas parlamentares. 

“Como no sermão da Montanha: Jesus Cristo quando pregou aos judeus que se juntaram aos milhares para ouvi-lo, falou: ‘Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra’.” Mateus 5:39.

No entanto, quando renunciou ao seu sonho e aceitou assumir a Secretária de Obras, Zé Carlos ofereceu a outra face ao fogo amigo. O troco: Não aceitar ser vice-prefeito do Santo do Pau Oco, nas próximas eleições municipal, Zé Carlos germina um campo forte entre seus eleitores, devolvendo a confiança a seu grupo, sob a razão política, de que ele é o mais preparado para vencer a oposição, contudo, o momento é de acalmar seus acólitos e orientá-los que após sua saída, eles sofrerão com as pressões, para deixar seus cargos, impostas pelo Fazendeiro.

 “A omissão de quem pode e não auxilia o povo, é comparável a um crime que se pratica contra a comunidade inteira.” Chico Xavier

Nenhum comentário: