11 de set. de 2020

A raiz da omissão tem endereço certo quando a ética sobrepõe os valores da sociedade

Adeir Alves: 

 Com a aproximação das eleições municipais, a imprensa têm ganhado holofotes orquestrando um cenário tendencioso nutrido pela omissão, cujo objetivo é direcionar seus leitores a tomarem decisões acerca de seu posicionamento político; claro que esta tática pusilânime e irresponsável de fabricar jornalismo faz um mal danado à sociedade pagadora de impostos, porque interfere na escolha política do município. 

 Convenhamos que, ao apoiar e financiar os veículos de imprensa sem ética e tê-los à sombra de um cão de guarda de proteção à sua inércia, que sociedade é esta que a classe política quer erguer: Uma sociedade crítica capaz de escolher livremente seus representes sem serem induzidas pelos órgãos de imprensa, ou uma comunidade que apenas pague seus impostos sem questionar seus governantes pelo mau uso do dinheiro público? 


 Claro que ao manter e sustentar a imprensa, os grupos políticos acabam por estar aprisionados a esse terreno inóspito - quem sabe um dia esse cenário tendencioso possa estar apenas no epitáfio da história política e não enraizado nela. 

 Na verdade, este problema da falta de ética é da família-imprensa, e isso sempre vai estar atrelado ao seu pífio conceito - porque aprenderam desde cedo a viver à custa do dinheiro público; o nosso dever, porém é desenvolver a própria consciência crítica e a sabedoria ao porquê dos robustos recursos públicos destinados à imprensa, e que as prefeituras não são terrenos auríferos sem donos. 

 A incapacidade cognitiva de perceber as amarras entre imprensa e Governos e, concomitante, a falta de respeito com o erário público, direciona, contudo, rumo a uma sociedade refém ao assistencialismo e, de quatro em quatro anos (já assistimos a esse filme) à venda do direito constituído, o voto! 

 Não cabe só a nós essa tarefa crítica, mas a todos os seguimentos da sociedade no frutífero encontro cívico com a razão pública do dever ético, moral, social e econômico de estarem operantes nestas questões envolvendo os gastos desnecessários com  as verbas  publicas  direcionadas à imprensa e a escassez de políticas públicas, até porque somos todos que sofremos quando os investimentos públicos são mal guiados por muitos prefeitos por esse Brasil afora! 

 A despeito de todo o jogo políticos envolvendo a imprensa e o uso do dinheiro público em face à desconstrução do direito à informação e ao contraditório, mais cedo ou mais tarde, o espírito cívico aquecido pelo manto de nosso tecido historio ao qual fazemos parte e, nele estamos, às urnas há de nos guiar!? 

 A população é inteligente e saberá escolher o melhor para a sua cidade. 

 “Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados.” Millôr Fernandes 

 “A imprensa pode causar mais danos que a bomba atômica. E deixar cicatrizes no cérebro.” Noam Chomsky

Nenhum comentário: